Tecnologia

Tecnologia e inovação: carreira de sucesso demanda conhecimento técnico e competências humanas

Para quem tem formação na área de tecnologia e inovação, o mercado está favorável. A pandemia causou e ainda causa instabilidade em muitos setores da economia, mas para quem trabalha nessas áreas a tendência é de alta. O isolamento social e a volta gradativa ao trabalho presencial gerou nas empresas a necessidade de acelerar seus processos de transformação digital e inovação, aumentando a demanda por profissionais especializados.
De acordo com a consultoria Gartner, estima-se que em 2022 os investimentos mundiais na área de tecnologia possam chegar a US$4,5 trilhões. Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) prevê que até o ano de 2024 o Brasil precisará de cerca de 420 mil profissionais
em áreas com viés tecnológico. Para atender a essa demanda, sem dúvida a formação técnica é imprescindível. Contudo, nem só de hard skills vivem os profissionais. As soft skills, isto é, habilidades comportamentais, também têm sido muito valorizadas pelas corporações.
Os ambientes de trabalho estão cada vez mais voláteis e complexos. A busca constante por inovação torna os desafios ainda maiores. As incertezas e as rápidas mudanças exigem perfis profissionais cada vez mais resilientes. Com base nesse cenário, veja quais são as áreas em destaque e os conhecimentos e habilidades necessários aos
profissionais que já estão ou desejam atuar no segmento de tecnologia e inovação.

Tecnologia


Além da formação técnica geral, determinadas áreas de conhecimento em TI têm maior procura de profissionais. Para atender a cada necessidade, cursos de especialização e experiência no setor farão a diferença para quem quer se destacar. Entre as áreas em alta no setor estão os especialistas em análise de dados, segurança da informação, experiência do usuário, desenvolvedores e CTOs. Conhecimento em metodologias ágeis (conjuntos de
técnicas e práticas que oferecem mais rapidez, eficiência e flexibilidade a projetos de tecnologia) traz um diferencial para muitas oportunidades.
Outro perfil profissional muito procurado é aquele que reúne o conhecimento e recrutamento e tecnologia. De acordo com relatório do Linkedin, o chamado de tech recruiter, especializado em contratar profissionais da área tecnológica, está entre os primeiros cargos mais buscados pelas empresas atualmente.


Inovação


Outra área com crescentes demandas por profissionais é a inovação. Por ser relativamente nova no universo corporativo, a carreira de inovação está em formação, o que torna o profissional com esse perfil amplamente disputado.
Por não apresentar uma formação técnica específica em cursos de graduação, quem deseja ingressar nesse segmento precisa em primeiro lugar ter a mentalidade voltada para a inovação. Ajudar as empresas a construir o futuro do negócio e torná-las mais competitivas são algumas funções desse perfil.
Entretanto, alguns conhecimentos específicos podem ser interessantes para garantir um diferencial de quem deseja atuar nessa área: ferramentas ágeis, gestão de projetos, design thinking, familiaridade com KPIs e inglês intermediário ou avançado. Além disso, participar do ecossistema de inovação é muito importante, pois trará possibilidade de
networking com profissionais mais experientes.


Soft Skills


Nove em cada 10 profissionais são contratados pelo currículo (hard skills) e demitidos pelo comportamento (soft skills), segundo levantamento da Page Personnel, consultoria global de recrutamento, Por essa razão, cada vez mais as habilidades comportamentais fazem diferença na carreira de qualquer profissional.
O livro “Soft Skills: competências essenciais para os novos tempos”, traz as habilidades comportamentais mais requeridas pelo mercado, independente da área de atuação. A publicação reúne estudos, experiências e informações de CEOs, C-levels da área de desenvolvimento humano, terapeutas, coaches e médicos comportamentais. Entre as
mais citadas estão empatia, comunicação intrapessoal, resiliência, inteligência lúdica e emocional, lifelong learning (capacidade de aprendizagem ao longo da vida), trabalho em equipe e colaboração, autoliderança, atitude positiva, criatividade e aprendizado, resolução de problemas e negociação, escuta ativa e pensamento empreendedor.
O direcionamento para adquirir habilidades como essas pode ser obtido em cursos livres de capacitação, contudo, o principal papel no aquisição das soft skills será de cada um, buscando autoconhecimento e autodesenvolvimento.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.